segunda-feira, 4 de maio de 2015

Paulistanas no Rio II - E algumas razões por que você também deveria ir para lá.


PAULISTANAS NO RIO II - E por que você também deveria ir para lá.


     Como eu disse da outra vez, o Rio tem aquele ar de intimidade das referências vindas de diversas fontes. No entanto, você certamente se surpreende com os detalhes que só vê quem vai até lá conferir.
      Nos próximos tópicos deixo algumas  impressões  que nos fizeram ficar apaixonadas pelo cartão postal do Brasil. Vontade de fazer as malas, largar tudo e viver naquele ritmo de eternas férias!
    Não foi dessa vez.
    Mas não posso deixar de indicar tanta beleza aos meus amigos paulistanos, sabendo que tudo vale demais também para outro qualquer cidadão.


Cartão postal do Brasil no mundo


O famoso calçadão de Copacabana
  Não é novidade pra ninguém, mas estando lá, podemos nos dar conta do quanto o mundo inteiro visita o Rio. Também  se veem estrangeiros em outros lugares do Brasil, mas nada se compara à capital fluminense. Às vezes, você já foi a Paris, Nova Iorque, Roma, mas ainda não conhece o roteiro preferido de tantos gringos. Não é à toa que eles vêm. O Corcovado não impressiona apenas pelo gigantesco monumento do Cristo. A vista que se tem lá de cima é uma das imagens mais bonitas que vi na vida.
A cidade vista do Corcovado
     






A cidade vista do Pão de Açúcar


      Mas apesar da natureza exuberante, o Rio é também uma selva de pedras. No entanto,  está majestosamente cercada de montanhas lindas e banhada pela lindas  águas da Baía de Guanabara e do oceano Atlântico. Sinceramente, esperava que o mar de Copacabana fosse praticamente impróprio para banho, mas não. Mesmo com a urbanização, com a multidão de banhistas, com lotação, as praias estão limpas. Certamente, você encontrará seu canto favorito do litoral carioca. Nós gostamos muito  quando chegamos à Barra da Tijuca, um pouco mais distante do centro.

O lindo mar da Barra da Tijuca

Centro histórico

 Teatro Municipal
       São tantos atrativos que até nos esquecemos de que a cidade já foi a capital do país. Mas assim que você faz um tour pelo centro, recebe um banho de História do Brasil. Nós seguimos a dica da dona do hostel e acompanhamos o Free Walking Tour. Uma galera que guia turistas pelo centro gratuitamente.  Eles disseram que era a primeira vez que acompanhariam um grupo em que havia mais brasileiros que estrangeiros. Divididos entre os que seriam guiados em inglês e os que ouviriam a informações em português, nós tivemos como companhia os sempre presentes argentinos e uma mexicana chamada Frida que veio ao Brasil aprender nosso idioma. Acabamos nos simpatizando muito com a garota e ela nos acompanhou até o final da viagem.
         Voltamos depois para visitar os prédios por nossa conta. Descobrimos muitas curiosidades. Na Biblioteca Municipal, por exemplo, soubemos da superstição de Carlos Drummond que só se sentava na cadeira de número 6. Lógico que queríamos nos sentar na cadeira também, mas o acesso era restrito.


Confeitaria Colombo




Escritos na placa de restauração da Biblioteca



Entrada da Biblioteca Nacional

Lapa

   É o bairro boêmio. Lá você vai encontrar os belos Arcos que formam o aqueduto desativado. Do outro lado da praça está a avenida Mem de Sá com os bares que tocam música ao vivo.Cariocas e turistas se divertindo na noite. É por ali também que se encontra a famosa casa de shows que no meu imaginário era um lugar gigantesco onde minha querida Legião Urbana explodiu para o país inteiro, o Circo Voador. A casa é bem menor do que eu imaginava, o que não apaga sua importância. Foi palco de grandes apresentações. Vale conferir!

Nós três e os Arcos da Lapa


Distâncias curtas

   A beleza, no Rio, é concentrada, porque tudo é pertinho. Talvez seja apenas a visão de quem mora na metrópole paulista, mas a sensação é essa mesmo. O Teatro municipal, a Biblioteca Nacional e o Museu de Arte estão todos na mesma praça, conhecida como Cinelândia. As praias de Ipanema e Copacabana estão uma ao lado da outra. E de lá se vai a pé até a Lagoa Rodrigo de Freitas.

Caminhando pelo Centro do Rio 
    Agora imaginem vocês saírem do MIS e do outro lado da rua avistarem o mar! Sim! O Museu da Imagem e do Som está localizado na famosíssima praia de Copacabana. É perfeito para o esquema de passeio que nós adotamos nessa viagem. De manhã atividade cultural, à tarde banho de mar.

Fim da tarde no Leblon 
 
Transporte

   Andar de ônibus no Rio é uma aventura. Os motoristas têm síndrome de Fórmula 1. Ao mesmo tempo, achei positiva a quantidade de  linhas para ir aos principais pontos turísticos. Além disso, há bicicletas espalhadas por toda a cidade. Basta se cadastrar no site do Itaú e você pode se locomover por uma hora sem pagar um centavo. Nós vimos muita gente circulando de bike. É um hábito carioca.
     Mas o mais divertido é andar de táxi! Cá entre nós, táxi em São Paulo é uma facada! Não é o caso por lá. Como já disse antes, tudo está muito próximo, portanto você paga pouco de um lugar para outro. O dia em que resolvemos ver o samba da Pedra do Sal, a moça do hostel nos advertiu: Só que lá é muito longe! 
      Preparamos o bolso e a paciência. Vinte minutos foi o tempo de teste. Imagina até onde você consegue ir em São Paulo em vinte minutos saindo da sua casa de táxi?

Os Arcos da Lapa através da janela do táxi


Somos vizinhos

     O último belo motivo para nós paulistanos irmos ao Rio é que estamos muito próximos dele. De avião, chega-se em uma hora. Nós optamos por ir de ônibus. Compramos as passagens no Terminal Tietê meia hora antes do embarque. O papo durante o trajeto foi tão bom que nem notamos que já haviam passado as seis horas de viagem.
     Era o primeiro de dez dias maravilhosos na cidade adjetivada tão bem. Sobram temas para comentar. No próximo capítulo, conto sobre a chegada de mais duas amigas e nosso passeio em Niterói. Esses momentos ainda borbulham no meu coração. Por isso incentivo a vocês. Vão ao Rio de Janeiro! Maravilhem-se vocês também!
Avião chegando ao aeroporto Santos Dumont 


Bondinho - Pão de Açúcar
    


Postar um comentário

Comente com o Facebook:

Comente com o Facebook: